A saúde segue sendo um bem de altíssima reputação entre nós, mas quem realmente se preocupa com a saúde, fazendo ela ser um jeito de viver e não uma coleção de procedimentos mais ou menos mecânicos e distintos de si mesmos??

Quando damos pouco tempo para o almoço, e comemos em exíguos momentos de um cotidiano que nos tira todo o tempo para  o trabalho ou para os compromissos complementares, mas não para as  refeições estamos tendo um comportamento que nos ofertará saúde? Patrões e chefes que oferecem um mínimo tempo para as refeições de seus funcionários, esperam realmente que eles se sintam bem e capazes de desenvolver suas atividades como seres humanos? Ou os querem, de fato, como meros integrantes de uma engrenagem maior? Trabalhar aos domingos ajuda os funcionários a serem mais felizes e terem vidas familiares mais equilibradas? Ou em realidade, ninguém, com verdadeiro poder de interferir na sociedade, move esforços para tornar nossa sociedade mais humana? Quando um trabalhador não tem tempo para fazer qualquer tipo de atividade extra, como por exemplo ir numa repartição ou num banco resolver problemas pessoais, porque o tempo é insuficiente para isto e também se alimentar com serenidade, será que é esperado que ele não sofra do stress e suas conseqüências?

Nos tempos de hoje grande parte dos adultos trabalham e estudam. Naturalmente ambas as atividades em muitas vezes precisam de tempos extras para seus desenvolvimentos. Assim o tempo para lazer, atividade física e vida afetiva fica confinado a momentos entre os sete dias. É possível que este tipo de rotina gere pessoas saudáveis?

Na mídia, não faltam propagandas de medicamentos de todos os tipos que auxiliam as pessoas a terem mais vigor pessoal, tolere mais o stress, a fadiga, e ainda há um grupo seleto de aditivos para melhorar a performance sexual. É claro, imagine, um homem se acorda as seis e quinze da manhã, toma um café rápido, faz a higiene, leva os filhos para a escola, geralmente até as sete e meia, chega no serviço entre oito e oito e meia, fica no local de trabalho até as 19 horas, aí vai para a faculdade e chega em casa após as 23 horas. Este homem vai estar inteiríssimo para uma linda noite de amor? Deve ser considerado que deverá acordar em menos de sete horas para a rotina, isto se não houver algum trabalho a ser feito, alguma tarefa no computador. É possível que no sábado de manhã ainda tenha atividade e haverá um período de estudos, e ainda pode haver filhos para oferecer algum afeto e naturalmente amigos e familiares, talvez um esporte e a casa da praia ou do campo, ou ainda ao carro para arrumar, e uma série de outras coisas!.

Neste ritmo só com remédios energéticos mesmo! Que vão continuar nutrindo a incrível farsa de que a vida é mesmo muito rápida! Muito ocupada! Assim não temos tempo para perder.

As promessas que os tônicos fazem são impressionantes se não tivessem uma perversa ambição: “Não mude sua vida!” Continue correndo, continue sendo mais um a correr, correr, correr … Continue sendo mais um elemento inconsciente, mas super útil para esta sociedade que se vale de pessoas com esta performance para manter tudo do jeito que está.  Porque neste ritmo não há tempo para você! Só para a corrida! Não tempo para qualidade de vida, para qualidade de afeto!

Nosso tripé de superficialidades estará a todo vapor com pessoas assim. Não há tempo para não perceberes nada além da superficialidade estética! Não há tempo para romperes a superficialidade afetiva! E principalmente, jamais sairás da superficialidade intelectual, pois toda a informação virá do massacre da mídia que dá conteúdos prontos, e sem tempo para reflexão não poderemos ir além da informação que nos é dada. Ficamos obrigados a acreditar e pronto!

O sistema ocidental e consumista se vale de uma máquina muito bem arquitetada para se manter a pleno! Faz de conta que nos oferece um conforto ímpar! Seu preço é a nossa identidade! Seu preço é a nossa condição de sermos profundos, de nos conhecermos e gerarmos relações afetivas sólidas e continuadas. Seu preço é pensarmos em prevenção de doença descobrindo que estamos doentes, mas bem no início de uma doença de forma que com tratamentos modernos (filhos da tecnologia) possamos ter uma vida razoavelmente saudável, mesmo que com seqüelas. A prevenção hoje evita que qualquer transformação seja iniciada: descubra cedo que está doente e tudo poderá ser resolvido! A manutenção da  saúde não vai além do consumismo reinante. (Nos bons tempos prevenir era ter atitudes para não adoecer, mas os tempos mudaram…)

Mas o que fazer para buscarmos uma mudança neste quadro? Será que isto é um cenário definitivo? Não, não é! No entanto é necessário que se busque sempre ter nossa  vida em nossas mãos! Devemos aprender a ouvir nosso corpo! Procuremos relaxar antes de deitar! Não podemos permitir passar um dia sem dar e receber afeto com as pessoas com quem costumamos viver no dia-a-dia. É fundamental prestarmos atenção às nossas fomes mal saciadas. Mas possivelmente tudo isto já tenha sido dito infinitas vezes.

O ponto chave para que uma grande mudança se inicie,  começa no momento que passamos a  acreditar que nosso sofrimento não é necessário. No momento em que acreditarmos que a felicidade possível é muito maior do que aquela que vivemos. Que a monotonia não é um preço pela vida! Que a saúde não é  uma concessão da medicina. Que o sucesso não é uma permissão social! Que nossa existência é única e fundamental! E que nossa presença é a eterna possibilidade  de que a partir de alguém o mundo jamais será o mesmo! Poderá será o mundo que todos nós sonhamos!

Graças a Deus este alguém não tem nome, e possivelmente seja você!

http://www.umaoutravisao.com.br/artigos

Comments

Post a comment

You must be logged in to post a comment.