Educação e emprego

by

Todo ser humano quer crescer e melhorar de vida.Em outras palavras, ter uma vida digna. Nos últimos anos, segundo o IPEA, foram mais de 13 milhões de pessoas, no Brasil, que deixaram de ser miseráveis para ser apenas pobres. Isso é um avanço social importante. Embora o próprio IPEA informe que essa melhoria foi mais forte no sul e sudeste que no Norte e Nordeste. Ruim para nós e bom para eles. Mas não basta isso. Essa melhoria veio em razão dos inúmeros programas sociais do governo federal.

O que a pessoa necessita é de um emprego digno que lhe dê, com segurança, a certeza que trará o pão-nosso-de-cada-dia para casa como fruto do seu trabalho. Assim ele exercita a sua liberdade e não se sente devedor desse ou aquele que lhe colocou na fila dos programas sociais e se distancia da dívida eleitoral.

Mas para ter um emprego digno é necessário preparo. Estar preparado para um emprego bom não é apenas saber ler e escrever, conhecer um pouco de portugues, metemática, etc. É necessário muito mais. No Brasil há algum tempo foram criadas as Escolas Técnicas Federais que depois viraram CEFETS e hoje são Institutos Federais. Em Roraima temos o IFRR. Essas organizações, assim como o SENAI e o SENAC estão aptas a oferecer cursos técnicos que preparam o jovem para a vida real e para um emprego melhor. Ensinam coisas práticas e úteis ao Mercado de Trabalho.

Não podemos ser contra a Universidade. Não, jamais. Mas a prática é importante e exigida no Mercado Formal de Trabalho.

Roraima possui apenas um IFRR e, que diga-se de passagem, vai sendo administrado muito bem. Ele está se expandindo com seus CAMPI pelo interior. Isso é muito bom. Não basta, porém ir para o interior de Roraima, é necessário expandir-se em Boa Vista. Aqui mora mais de 60% da população de Roraima e está concentrada.

Eleito ao Senado da República quero trazer aqui,não uma, mas várias vezes o Ministro da Educação para mostrar a ele que o Brasil começa aqui e que aqui o Brasil deve investir muito mais na Educação em Roraima. Por Roraima e para Roraima eu sou ambicioso e inconformado permanentemente. Quero sempre mais. Não querer por querer, mas é que entendo que o Brasil do sul e sudeste nos deve muito. A dívida de ter ficado aqui no extremo norte como sentinelas da pátria durante anos (séculos) precisa ser resgatada pelo “sul maravilha”. O norte e o nordeste merecem um melhor tratamento.

PS.: Por um Roraima melhor o que você é capaz de fazer?