Comunicação e Velocidade

by

Waldir Costa Mateus é um economista roraimense descendente de índios, inteligente, honesto e de um sorriso fácil. Encontrei com ele e falamos muito sobre muitas coisas. Uma delas que ele lembrou foi que quando, na sua infância, vinha da maloca, com sua mãe, para Boa Vista, o transporte era o carro de boi. Boa Vista era uma cidadezinha acanhada e todos moravam no que hoje é o centro da cidade. A comunicação era boca-a-boca. Nem pensar em rádio, jornal, TV, nada. Nem bilhete se escrevia. Ele tem 56 anos. Não é tão velho. E comparamos aquela comunicação com a de hoje e associamos à velocidade. Tudo instantâneo, prático muito veloz. Quando o jornal escrito é vendido na rua, pela manhã, não traz mais novidade. Tudo vem pela Internet e principalmente pelo mundo virtual das redes sociais. Mas esse mundo da Internet é dominado por um público que tem menos de 40 anos. Quem tem mais que isso não domina esses veículos de comunicação do mundo virtual, veloz, crítico e prático. No Twitter 140 caracteres bastam para escrever tudo. E quem, com mais de 40, não se esforçar fica no canto olhando a vida passar.

PS. Como será o futuro nessa área?